Sábado, 20 de janeiro de 201820/1/2018
75 9 9102-7312
FTC TOPO - DENTRO DA NOTÍCIA
| POLÍTICA |
'Le Monde': Brasil vive clima de suspense com ameaça de novo golpe de Estado
Segundo a reportagem, após quase uma hora de conversa, o general de repente tomou um tom categórico. "Se for preciso, acontecerá"
Redação Correio da Cidade Santo Estevão - BA
Postada em 04/10/2017 ás 10h29
'Le Monde': Brasil vive clima de suspense com ameaça de novo golpe de Estado

Matéria publicada nesta segunda-feira (2) pelo jornal francês Le Monde relata que diante da crise que atravessa o país, um general falou de "possível intervenção militar", sem ser refratado pela hierarquia, despertando espanto nas redes sociais.


Segundo a reportagem, após quase uma hora de conversa, o general de repente tomou um tom categórico. "Se for preciso, acontecerá". 


Monde destaca: "Meio século após o golpe militar de 1964 no Brasil, Antonio Hamilton Martins Mourao, um oficial do exército, falou de uma possível" intervenção militar para remediar a crise ética e politica-institucional "do país.


"Ou as instituições resolvem o problema político, pela ação do judiciário, levando todos esses elementos envolvidos em atos ilegais para fora da vida pública, ou teremos de impor [a solução]", explica ele, um evento organizado pelo movimento maçônico, em Brasília, e em seguida foi aplaudido, descreve o diário.


Le Monde ressalta que em um país onde as feridas da ditadura militar (1964-1985) com sua parcela de tortura, assassinato e prisão arbitrária quase não estão fechadas, um vídeo logo se espalhou pelas redes sociais, causando pânico.


O general já havia sido repreendido por sua irreverência em relação ao Estado. Em 2015, ele foi demitido de suas responsabilidades depois de criticar Dilma Rousseff pedindo o "despertar da luta patriótica". O exército não interfere na política, lembrou-lhe seu superior, de acordo com Le Monde.


Le Monde afirma que Clima de ansiedade toma conta do país
Le Monde afirma que Clima de ansiedade toma conta do país


Clima de ansiedade apreende país


Dois anos depois, a saída "séria" do general, aos olhos do senador Lindbergh Faria, do Partido dos Trabalhadores (PT, à esquerda), já não vale sanções. Nada, nem mesmo uma reestruturação de sua equipe.


"Punição, não haverá", disse Eduardo Villas Boas, chefe do exército, em uma entrevista transmitida pela TV, descrevendo o Mourão como um "grande soldado". 


"Uma figura fantástica", acrescentou o seu superior, enquanto o ministro da Justiça, Raul Jugmann, prometeu chamar a ateção o general Mourao.

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium
 CABRAL - POUP UP